Print

Tuberculose

A tuberculose (TB) é uma doença causada por uma bactéria chamada Mycobacterium tuberculosis.

Recentemente, apareceram novas estirpes da doença que são resistentes aos medicamentos utilizados habitualmente. Tal como outras bactérias, as micobactérias podem sofrer alterações genéticas (chamadas mutações) que as tornam naturalmente resistentes a um medicamento anti-TB. As novas formas avançadas da doença são conhecidas como TB multirresistente (MDR-TB) ou TB ultrarresistente (XDR-TB).

É provável que esta resistência ocorra através de erros humanos, como por exemplo escolher os medicamentos errados para tratar a doença, ou por as pessoas pararem o tratamento antes de concluir todo o ciclo. Quanto mais um antibiótico é utilizado da forma errada, maior é a probabilidade das bactérias sofrerem mutações e ficarem resistentes ao medicamento.

Última atualização 30/04/2021
This content is available in multiple languages.

Sintomas


Qualquer órgão do corpo humano pode ser afetado pela doença, no entanto esta é mais frequentemente diagnosticada nos pulmões.

Os principais sintomas da TB são:

Febre
Apetite reduzido
Perda de peso
Suores noturnos
Tosse persistente
Tossir sangue, numa fase mais avançada

Causas


A TB é uma doença infecciosa transmissível através do ar. Propaga-se através de gotículas no ar, através de um espirro ou da tosse das pessoas infetadas com as micobactérias.

O risco mais elevado de desenvolver a doença ocorre nas pessoas que estão em contacto próximo e regular com alguém que tem a doença. A investigação mostrou que as crianças em contacto próximo com um caso contagioso têm uma probabilidade de 30-50% de desenvolver TB.

Assim que as pessoas são infetadas com a bactéria, podem desenvolver rapidamente a doença, ficando infecciosas, apresentando sintomas e necessitando de tratamento. Isto ocorre geralmente nas crianças e em pessoas com um sistema imunitário enfraquecido. Designa-se como “TB primária”. De outra forma, a pessoa irá ter uma infeção latente, na qual não está infecciosa e não apresenta sintomas. 5-10% das pessoas com infeção latente podem desenvolver doença TB ativa.

Há vários fatores que aumentam o risco de desenvolver TB, incluindo a diabetes, exposição a medicamentos que suprimem o sistema imunitário e o tabagismo. O fator de risco mais importante é a infeção pelo VIH. A OMS estima que o risco de desenvolver tuberculose é 20-37 vezes mais elevado nas pessoas que vivem com VIH do que nas pessoas sem infeção pelo VIH.

Prevenção


Em 1921 foi introduzida uma vacina chamada BCG. Sabe-se que ajuda a prevenir algumas formas graves da doença nas crianças, mas tem um sucesso imprevisível na proteção contra o risco de desenvolver TB ao longo da vida.

A BCG é utilizada em graus variáveis através da Europa, com alguns países a vacinar todas as crianças à nascença e outros que descontinuaram os programas de vacinação em massa.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que a melhor forma de prevenir a TB consiste em ter sucesso na identificação dos casos e em utilizar antibióticos para tratar a doença. As estratégias da OMS, como por exemplo a Estratégia Stop TB, contribuíram para uma redução na prevalência e incidência da TB em todo o mundo.

O objetivo final das autoridades de saúde pública nacionais e internacionais consiste na eliminação da TB, diminuindo os novos casos infecciosos para menos de 1 em cada milhão de pessoas até 2050, ainda que no momento da publicação os peritos achem que não seja provável que as autoridades cheguem a esta meta.

Tratamento


Colhem-se amostras de muco ou expetoração de uma pessoa com suspeita de TB e testam-se quanto à presença da bactéria. Uma radiografia torácica e por vezes um exame TC adicional são úteis para confirmar a presença da doença.

Outros testes, como por exemplo a prova cutânea de tuberculina e um exame feito ao sangue total, conhecido como ensaio de libertação de interferão-gama (IGRA), são úteis no diagnóstico da TB latente.

O tratamento pretende curar a doença e evitar a transmissão a outras pessoas. O tratamento geralmente caracteriza-se por uma fase de tratamento intensiva durante 2 meses, seguida de uma fase de continuação durante 4 meses. A primeira fase geralmente inclui quatro medicamentos diferentes (isoniazida, rifampicina, etambutol e pirazinamida) e destina-se a parar o crescimento das bactérias. A segunda fase destina-se a matar as bactérias restantes.

A MDR-TB e a XDR-TB exigem os chamados medicamentos de segunda linha durante pelo menos 20 meses; no entanto, estes são dispendiosos, tóxicos e difíceis de gerir.

Subscreva o nosso boletim informativo